Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2008

um a um

Eu não quero ganhar
Eu quero chegar junto
Sem perder
Eu quero um a um
Com vocêNo fundo
Não vê
Que eu só quero dar prazer
Me ensina a fazer
Canção com você
Em dois
Corpo a corpo
Me perder
Ganhar você
Muito além do tempo regulamentar
Esse jogo não vai acabar
É bom de se jogar
Nós dois
Um a um
Nós dois
Um a um
Nós dois
Um a um
Nós dois
Eu não quero ganhar
Eu quero chegar junto
Sem perder
Eu quero um a um
Com você
No fundo
Não vê
Que eu só quero dar prazer
Me ensina a fazer
Canção com você
Em duo
Pouco a pouco
Me perder
Ganhar você
Esse jogo não vai acabar
É bom de se jogar
Nós doisUm a um
Nós dois
Um a um
Nós dois
Um a um
Nós dois

rumar

... adicionar acionar, o mar o navegar, o lar admirar, mirar... olhar...o ar

Os palcos-bailados da rua

Domingo, 20 h. Cansado de refletir sobre a ausência de políticas públicas culturais e de tecer reflexões sobre os artistas urbanos, vou ao espaço da cultura projetado por Niemeyer. Hall do Centro Cultural São Paulo. Um aglomerado de gente chama a atenção dos que seguem em direção à bilheteria. Pego meus ingressos e me infiltro na multidão.No papel verde os dizeres: "Deixe aqui sua contribuição monetária e ajude a garantir minha sobrevivência. EM TROCA FAREI UMA LINDA DANÇA DIANTE DE VOCÊ". Entre as roupas espalhadas no chão, ao som de Cazuza e Bebel Gilberto, o bailarino faz a sua dança-declaração de amor. No fundo um aparelho de televisão e vídeo cobertos pelo pano preto. As fitas adesivas transparentes delimitam o palco do artista, criando algo semelhante a uma arena ou a um ringue, uma cadeira vazia e dois pratos brancos compõem o cenário. Com a respiração falha, com o rosto vermelho, o artista cria poças de água no chão encerado, por ora levemente suado. Ele pára e assiste a…

O (I)MUNDO AMOR DE UMA NOITE [VIDA] VAZIA

[MADRUGADA]

Era meio da madrugada quando bateram na porta. Fazia uma semana e meia que não se via a rua e não saia daquele quarto.
Hesitou em abrir a porta, pois não queria perder um segundo longe da cama e do corpo que estava sobre ela.
Levantou-se. Ficou alguns segundos, suspensos no ar, observando aquele amor vadio que descansava o corpo, após longas horas de muito gozo.
Veste-se e segue em direção a porta. Já não se ouviam mais batidas impacientes. Olhou pelo olho-mágico e lá estava ele: calado e sem graça pelo tempo que ele ficou longe.
Olham-se, por alguns minutos. Convida-o para entrar. Nenhuma palavra. O tempo e a distância tornou-os desconhecidos.
Ela vai até o quarto, abre a carteira e pega seus últimos R$ 5,00. Volta à sala e lhe dá o dinheiro. Pede para que vá embora.
Surpreso com a recepção, ele aceita o dinheiro. Levanta-se e num rompante vai em direção ao quarto. E lá está o corpo nu, que inerte ao cansaço e ao mundo exterior, simplesmente dorme...
Ela, Jezebel, em seu vazio s…

menino de barro

Imagem
menino de barro
Upload feito originalmente por maitefreitas

Empoeirado, perdido no tempo, achado no canto do coreto lá está o menino.
A vida lhe coça a curiosidade de fazer-se em arte, para afirmar-se no tempo. Sem cola, sem escola o menino elabora as frase para dividir um pouco da sua vida.
De barro, cansado, sem bairro.
Braços cruzados, coluna cansada de carregar a noção de tempo, ja perdida. Pergunto ao menino: "há quanto tempo você habita a praça?", ele pára, pensa, tatea o vento afim de encontrar a resposta: "5 ou 6 anos, não sei direito"
O menino-guri perdeu-se de suas raízes, perdeu-se no tempo da cidade que corre, e não socorre os meninos que se predem no labirinto monocromático dos prédios e vias da neurópolis.

funambulando

Imagem
fios
Upload feito originalmente por maitefreitas

o funâmbulo perambula pelas ruas cinzentas e empoeiradas atrás de equílibrio. Na sua frente construções inacabadas,in-(e)-ternamente inacabadas na cidade que se faz em andares...
o funâmbulo encontra entre o céu e o chão a luz, que ainda apagada ilumina a estrada cinza de quem passa...