Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2012

coraginga

há um novo som
pulsa num novo tom balança ginga o que o corpo imagina coração-berimba ouve as mãedingas retecendo os fios atravesso os atlânticos mar de mim neste eterno devir


*à débora monteiro
carinho é caminho que a mão da gente faz  em direção ao corpo do outro

lagrimar

lágrimas são palavras líquidas
saem do olhar diante do horizonte
criando linhas verticais no tecido
o tempo é ido
passado daquilo que ainda é
lágrimar
é manifestação do mar no dentro-fora da gente
há temporada em que esvaziamentos são estados d'alma e isso é tudo ponto de inspiração potencial de conexão re-entendimentos da Co-criação vazio nunca absoluto são estados de lutos que anulam os padrões tempo que me faz antiga diante do que ja não sou im-permanências são as ciências do permanecer aqui dentro, nada é sempre tudo está: vazios preenchidos de existências

reflexões são as ginásticas dos pensamentos

à temporina

estão a dizer que preciso escrever
sinto que um vazio criativo aportou no porto-inspiração
um ermo enorme habita dentro de mim
as palavras me fogem, deixando nuvens-imagens do por vir

ah... Temporina
deixe-me seguir em des-re-construções
encontra-me ali, nas curvas dos corpos-palavras

faço silencio e deixo-te
em mim inscrever

maitemporina

Imagem
em refazendas
em renascenças
em reciências
colorindo as reticências desse re-Existir