Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

constru-ação

ela dorme.
olhos cerrados ela se pergunta por onde começar.
turbilhão de pensamentos, querências e sonhos
caminhos de pedras invisíveis feitas de luz
caminha.
amanhece, recebe os carinhos do guardião
amor puro, leal e verdadeiro.
observa os olhinhos arregalados e nariz gelado.
ronron.
ela se apronta.
no caminho traça as palavras que devem ser escrita.
mergulhada em meios aos livros, tece a rede de informação.
lembra o número grafado no vapor.
dentro dela calor, de um corpo que espera o amor-novo
respira, observa seus pensamentos, desejos
não há espaço, não abre brecha.
apenas observa.
inter-age, comunica a ação externa.
interliga e observa.
guarda-se e se prepara para o novo amanhecer
ao amor que virá: apenas quer que saiba que está:
pronta, serena e construindo sabedoria

inusitado

calça jeans, mochila, casaco preto. Ela está atrasada.
chuva, frio, sono e a pressa de chegar o quanto antes.
roda a catraca e coloca-se próximo à porta, afim de evitar tumulto.
observa os passageiros, inventa história, olha lá fora...
o vidro embaçado, caras fechadas, olhos anciosos focam o relógio.
observa.
à sua frente um rapaz, tatuagem no braço: um texto indecifrável, olha na sua direção.
ela observa.
ele tira a malha, dobra a camisa e olha em sua direção.
ela observa, curiosa.
nos pensamentos inventa história, relembra algumas histórias.
uma moça se levanta, ela senta e observa.
vidros embaçados. "Posso abrir um pouco a janela?"
"sim". ela abre e sente o ar mínimo entrar.
a moça se levanta, ao seu lado: vazio.
ele levanta e pede para se sentar.
ela cede o espaço, ele senta, abre a janela.
ela observa.
ele desenha no vapor do vidro, ela observa.
números, ela observa e memoriza os escritos.
ela ri, internamente.
pega o celular e grava o número.
ele observa.
ela olha para janela, os o…

ex-istencial - essencial

cansada
canções que surgem do nada
um nada que não é vazio,
em meu vaso de poesias,
frase, versos e muscicalidades
brotam, floram e espinham existencialismos,
feminices
existo e isso me basta.
se me descubro a cada instante,
é sinal de que há mudança
se muda
se dança
apenas existo
sem retiscências, vírgulas em demasia
pontuo a vida traduzida na escrita
colorida, monocromática
polifônica, afinada
afim de descobrir um tudo de possibilidades
infinitas escolhas
e eu nas múltiplas minhas
sendo apenas uma.

deste lado

é noite.
sala cheia...
perco seu rosto no meio de tantos outros...
ele acompanhado...ela do seu lado
eu lado a lado com a expectativa, encanto
desajustados...
a paixão que brotava e me divertia...
eu esclarecida,
com frio na barriga
daquele lado sem saber o que se passa
aqui: vento...
palavras...

encanto

nas idas e vindas deste renascimento o encontro na jornada, tão sábio tão sensível...meus olhos atentos encantada... não sei como seguir... há muito que não me sentia assim frio na barriga ele visita meus pensamentos eu respiro e deixo-o seguir e criar as histórias

aniversariando

como guardiã de minha essência, crio o meu renascimento
Conduzindo o movimento mentalizo e vibro na LUZ
Recrio um novo ser...o pulsar diminui para que eu possa compreender o ritmo e as cores:
azul, lilás, verde, violeta, amarelo...branco
Os arcos coloridos me transpõem e me conduzem rumo aos aprendizadosSemeio na minha auto-existência um novo florescer,
um novo amanhecer neste estado de plenitude
O horizonte cinza e vertical me conduz e dá novos rumos poéticos, musicais,
entoo o desejo e a intuição de estabelecer-criar novos caminhos
Em outros solos, outros ares... semeio para multiplicar meus espaços criartísticos
nas minhas vinte-quatro trajetórias, faces e artes conduzo o meu trilhar: no AMOR
Ouço em silêncio aos seus ensinamentos
de olhos mergulhados na (a)maré agradeço aos que vieram antes de antes de mim
pois sou desdobramento dos encontros e acertos dos geraram a tradição, a história, a família
Dos aprendizados filtros os erros, transformo-os em acertos e desenho um novo recomeçar
neste meu…