vin'Olhar

Pausa.
Aceito a companhia de uma taça de vinho
Te recebo numa visita imaginada
O sabor antes de ser o torpor, me vasculha e te traz
E o desejo desperta.
O vinho convida o desejo para dançar, para ser
Senti-lo
Sou convidada a te sentir como um torpor que traz à consciência, a ciência dos sentidos
Te sinto sem nem sabê-lo
Não sei de suas texturas
Não sei de sua temperatura
Não sei do seu sabor
Não sei de si
De si, imagino sua textura em pelo...minha pele
De si te crio e recrio em possibilidades de encontro
Pode um corpo ter a certeza de um desejo, sem sabê-lo quando e como saciar?
Tomo o último gole e te engulo.
Sinto se'de ser com você.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Confissão